O Predador – A Caçada: Leia nossa crítica do filme

O Predador - A Caçada- Leia nossa crítica do filme

Reboots, revivals, prequels e sequências de legados tornaram-se a norma e é cada vez mais raro ver uma franquia fazer uma visão genuinamente nova de sua mitologia. Só em 2022 já houve várias estreias de sucesso (Pânico e Top Gun: Maverick por exemplo) e outros caindo bastante (é melhor esquecer a imprudente sequência do Massacre da Serra Elétrica da Netflix). A franquia Predador viu seu quinhão de sequências, crossovers e IP de ramificação. O Predador – A Caçada (Prey) é a mais recente e possivelmente a melhor entrada do Predador desde o filme original de 1987. Um thriller de ação enxuto, Prey leva Predador de volta às suas raízes ultra-violentas e prova ser uma entrada digna na mitologia da franquia.

Prey segue Naru (Amber Midthunder), um membro da Nação Comanche na América do Norte de 1719, que deseja provar suas capacidades de caça entre seus companheiros do sexo masculino. Isso inclui seu irmão Taabe (Dakota Beavers), com quem ela é próxima e cujo vínculo é o coração do filme. Os pequenos atos de rebeldia de Naru a levam a perceber a presença de um predador peculiar, que não é familiar para ela. Enquanto todos a ignoram, Naru sai para perseguir o Predador e se vê em uma jornada violenta que a coloca contra a vida selvagem da região, colonizadores violentos e uma presença alienígena brutal.

 

o predator a caçada critica

Um dos maiores pontos fortes de Prey é sua abordagem de volta ao básico para a franquia. Enquanto outros reboots e sequências tentam construir suas raízes de franquia em vários graus de sucesso, Prey mantém tudo bastante simples e é claro que é isso que o filme precisa. Voltando ao cenário natural do primeiro Predador e ao subestimado Predadores de 2010, estrelado por Adrien Brody, o filme faz grande uso da floresta e dos ambientes montanhosos da América do Norte do século XVIII. Grande parte da primeira metade do filme segue Naru enquanto ela rastreia o Predador pela vasta terra da Nação Comanche e essas sequências são tão cheias de suspense quanto quando ela enfrenta o próprio Predador. A preparação para o primeiro encontro de Naru leva a tensão ao seu ponto de ruptura antes de explodir em uma confusão sangrenta que deixa Naru em fuga. A apreciação do meio ambiente do diretor Dan Trachtenberg em meio a tudo isso dá ao filme o toque naturalista que funciona melhor para o Predador.

Nada disso funcionaria sem o desempenho cativante de Amber Midhunter como Naru. Sua curiosidade supera sua hesitação em caçar o Predador e isso, combinado com sua proteção feroz que passa despercebida por aqueles com quem ela mais se importa, torna suas situações cada vez mais perigosas ainda mais cheias de suspense. O relacionamento de Naru e Taabe é nascido da necessidade e do amor e Midthunder e Beavers carregam um vínculo natural que dá a Prey a quantidade certa de peso emocional.

Tudo isso é ressaltado pelas conexões claras de Prey com temas de colonização e violência perpetuados contra os nativos americanos por forças imperialistas. Jhane Myers (que é descendente de Comanche e Blackfoot) foi trazido a bordo para consultar a representação de Prey dos povos indígenas e o filme garante que sua representação deles vá além das formas estereotipadas que foram retratadas no passado. Além disso, ver uma mulher indígena liderar o filme com um coração de aço e graça feroz é uma reviravolta refrescante para um gênero que ainda luta para olhar além do alcance de protagonistas masculinos brancos.

Leia Também:   Leia nossa crítica do game Returnal - Exclusivo do PS5

Em última análise, Prey certamente tem o potencial de relançar uma franquia que lutou na última década e meia. Filmes como Prey não precisam de copiosa construção de mundo ou mitologização, o trabalho hábil dos personagens e uma linguagem visual estabelecida vão longe na criação de um filme que mal faz uma pausa para respirar. Para onde Predador vai a partir daqui ainda não está claro, mas Prey certamente prova que ainda há mais vida na franquia.

O Predador – A Caçada (Prey) estreia no Hulu e na Star+ na sexta-feira, 5 de agosto. O filme tem 99 minutos de duração e é classificado como R por forte violência sangrenta.

Agamortis
Profissional de TI, amante de filmes de terror de gostos e qualidades duvidosas, séries, super-heróis e memes, muitos memes. Este site é para reunir tudo no mesmo local.