Críticas

Crítica de Round 6: Nova série da Netflix não desperdiça sua premissa brutal

Round 6, nova série da Netflix sobre um grupo de pessoas competindo em um jogo mortal por dinheiro, sabe o que está fazendo.

Atenção: Contém spoilers de Round 6, disponível agora na Netflix.

Round 6 usa uma premissa que todos nós vimos antes: as pessoas são jogadas em uma arena artificial onde devem lutar por suas vidas. Na nova série da Netflix, a arena é um complexo maciço e secreto; a competição é uma série de jogos infantis; e as pessoas são 456 competidores que precisam desesperadamente dos ₩ 45,6 bilhões ($ 39 milhões) do prêmio em dinheiro, mais do que precisam da ilusão de segurança que o mundo exterior oferece periodicamente. Alguns concorrentes, como o protagonista central Gi-Hun (Lee Jung-jae), endividaram-se, agravados pelo vício do jogo e por um agiota que quer cobrar. Todos foram cuidadosamente escolhidos pelo guarda-costas mascarado e aparentemente insensível do jogo, porque eles sentem que a chance de ganhar o prêmio em dinheiro vale mais do que suas próprias vidas.

Primeiro seguimos Seong Gi-hun (Lee Jung-jae), um homem divorciado que vive com sua mãe. Qualquer dinheiro que ele coloca as mãos é apostado, entre suas dívidas com o banco e agiotas ele não pode nem mesmo levar sua filha para uma refeição adequada em seu aniversário.

No final de um dia difícil, Gi-hun encontra um homem com uma maleta que lhe pergunta se ele quer jogar um jogo. Ele abre a maleta para revelar maços de dinheiro e dois azulejos de papel dobrados. O jogo é chamado de “ddakji” e o objetivo é tentar virar o papel do seu oponente (o “ddakji”).

A aposta é de 100.000 won (US$ 84) e Gi-hun aceita, mas quando ele perde e não pode pagar, o homem recebe seu pagamento batendo nele. Gi-hun perde de novo e de novo, recebendo um novo tapa na cara cada vez que perde. Eventualmente, ele consegue e recebe duas notas de 50.000 won.

Leia Também:   Crítica Prisoners Of The Ghostland : O filme de ação de Cage é uma bagunça com belos visual

O homem lhe dá uma carta com um círculo, triângulo e quadrado e sugere que ele ligue para o número na parte de trás se ele quiser jogar um jogo por algum dinheiro real. Depois que Gi-hun liga, ele é pego em uma esquina por uma van dirigida por um homem mascarado, e ele perde a consciência. A partir dai começa toda a sequência de jogos e perigos que os desafios trarão.

Round 6 utiliza tropos bem usados, mas não há nada inerentemente errado com isso, especialmente quando o modelo da história continua a ter tal valor alegórico e quando a série os expressa tão bem. Pelo menos em seus dois primeiros episódios Round 6 não tem medo de seguir sua premissa até suas conclusões inevitáveis ​​e implacáveis. Os competidores só reconhecem o verdadeiro horror do jogo quando começam um jogo mortal de Batatinha Frita jogado sob um sol forte sob o qual os personagens não têm onde se esconder. Mais tarde, vemos a logística das consequências, quando os trabalhadores anônimos que operam as instalações queimam os corpos dos perdedores, sem fazer distinção entre os mortos e os moribundos.

Se assistir pessoas massacradas em massa é difícil de vender em nosso clima mundial atual, isso é compreensível, no entanto, ao contrário de exemplos menores deste subgênero, a violência do Round 6 tem um ponto bem definido enfatizado pela decisão do escritor e diretor Hwang Dong-hyuk de não definir esta história em alguma distopia de futuro próximo, mas na realidade onde todos nós atualmente vivemos. Esses personagens não querem alimentar sua família e vizinhos como no Distrito 12 de Jogos Vorazes ou se encontrarem presos na Game Station controlada por Dalek de Doctor Who. Round 6 está firmemente enraizado em nosso mundo real, representado por vários bairros de Seul, o que o torna muito mais aterrorizante e seu ponto muito mais articulado. Sim, o jogo é horrível, mas esse horror é contextualizado na realidade e só é possível porque as condições fora da arena permitem, e Round 6 nunca perde uma oportunidade de fazer isso.

Leia Também:   Todas as músicas de Rua Do Medo Parte 3: 1666

Ajuda enormemente o fato de que embora o Round 6 seja crítico, ele não seja excessivamente cínico. Às vezes os personagens tomam uma decisão implacável. Outras vezes alguém estende a mão para ajudar um estranho. Normalmente, as pessoas são movidas pelo amor que sentem por sua família e realmente conseguimos ver esse amor retratado conforme passamos o tempo com esses personagens em suas vidas fora da competição. Esta não é uma história em que a humanidade está condenada por causa de sua ganância ou egoísmo inerentes, embora essas características possam certamente entrar em jogo, é uma realidade em que as pessoas fazem coisas desesperadas porque estão em situações desesperadoras, e o sistema se aproveita dessa vulnerabilidade para obter lucro e em demonstrações nojentas de poder. Embora os criadores do jogo não valorizem a vida humana, é claro que a própria história o faz, uma distinção narrativa vital.

Inevitavelmente, o sucesso de Round 6 depende do que ele escolhe fazer com as críticas sociais afiadas e específicas e os personagens simpáticos que efetivamente apresenta em seu desenrolar. Round 6 não oferece uma fuga dos horrores do mundo real, dentro de suas limitações como um drama ficcional, nos dá algo muito mais raro, uma afirmação de que eles existem, e que não estamos sozinhos em considerá-los um pesadelo.

Round 6 pode ser assistido na Netflix e todos os episódios já estão disponíveis.

Nossa nota para Round 6

Elenco - 9
Direção - 9
Produção - 9
Enredo - 9
Fotografia/Áudio - 9

9

User Rating: 4.46 ( 4 votes)

Agamortis

Profissional de TI, amante de filmes de terror de gostos e qualidades duvidosas, séries, super-heróis e memes, muitos memes. Este site é para reunir tudo no mesmo local.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo