Críticas

Leia nossa crítica do game Returnal – Exclusivo do PS5

Housemarque’s Returnal é um exemplo brilhante do que o estúdio é capaz, embalando uma jogabilidade apertada junto com um mundo interessante. Leia nossa crítica do game Returnal.

Não é sempre que um jogo mistura com sucesso uma história convincente, combate apertado e ambientes lindos em um pacote, mas qualquer um que duvide da capacidade de Housemarque de fazê-lo com Returnal pode ficar tranquilo. Embora o jogo roguelike pareça um pouco antitético para o foco blockbuster do PlayStation,é uma das experiências de destaque dos últimos cinco anos.

Returnal segue a nave espacial ASTRA Selene depois que ela cai no misterioso planeta Atropos,que é hospedeiro de todo tipo de formas de vida hostis. Cada vez que Selene morre, ela volta aos destroços de sua nave, a maioria de seus itens e progresso reinicia e o layout do planeta muda. É a configuração perfeita para um jogo roguelike, e Housemarque absolutamente prega o follow-through.

Focado em laser na criação de mecânicas de jogabilidade apertadas, Returnal possui o mesmo apelo “mais uma corrida” que é comumente encontrado nos altos escalões do design de videogames. Com patifes bem recebidos como Hades lançando no ano passado, os fãs poderiam ser perdoados por se perguntarem se Returnal se sente derivado, mas a criação de Housemarque é tão recente quanto qualquer um poderia pedir.

crítica game returnal - gameplay
crítica game returnal – gameplay

Há uma grande ênfase em fazer os jogadores tentarem coisas novas para ter sucesso, seja uma mudança de tática ou testar novos equipamentos. Embora nem todas as armas do jogo sejam vencedoras – o disparo rápido, mas de baixo dano Hollowseeker sendo o exemplo mais aparente – a maior parte do arsenal do Returnalé divertido de usar. A carabina e a espingarda, que os jogadores desbloquearão no início, são destaques, mas há algumas opções únicas também, como o Rotgland Lobberque dispara globs venenosos em inimigos e causa danos ao longo do tempo.

À medida que os jogadores avançam durante uma corrida, eles vão construir proficiência de armas, o que por sua vez leva a armas mais poderosas caindo. Encontrar armas poderosas é a chave para passar pelos estágios posteriores, pois as armas de baixa potência começarão a se sentir ineficazes rapidamente. No entanto, cada arma tem um poderoso modo alt-fire, que geralmente manifesta uma explosão satisfatória que reduz a barra de saúde de um inimigo com gosto. Esses modos alt-fire são salva-vidas durante corridas onde boas armas simplesmente não parecem cair, embora esses casos sejam poucos e distantes entre si.

Leia Também:   Game F1 2021 anunciado para julho pela EA Sports

Seria criminoso não enfatizar o quão estelaré o uso do controlador DualSense, pois define a barra para todos os exclusivos do PlayStation avançando. Não é a constante barragem de vibração que os jogadores experimentaram no Playroom de Astro, mas Returnal utiliza o controlador de forma mais prática e convincente. A cena de abertura do Returnal é tão excelente quanto se poderia pedir, com os jogadores sentindo cada colisão e raspar as experiências do navio. É algo que legitimamente precisa ser sentido para entender completamente, já que as palavras não podem fazer justiça. Na verdade, uma das únicas desvantagens do Returnal é que não há opção de repetir a introdução completa.

crítica game returnal - gameplay 2
crítica game returnal – gameplay 2

Returnal pode ser uma experiência brutalmente difícil, com corridas muitas vezes terminando no primeiro bioma. Isso é em parte porque não força os jogadores a avançar tanto quanto alguns outros roguelikes fazem, permitindo-lhes voltar atrás e explorar o mapa para encontrar equipamentos mais poderosos. Essa exploração é muitas vezes necessária, pois os itens são um componente-chave para fazer progressos. No entanto, Reutrnal faz os jogadores jogarem mais do que seus contemporâneos através de Malignancy e Parasites, duas mecânicas de jogabilidade de alto nível que podem mudar drasticamente como uma corrida progride, para o melhor ou para o pior.

Malignidade é uma espécie de maldição espacial que os jogadores pegam de certos itens. Cada item com Malignancy é claramente marcado, com os jogadores forçados a escolher se vale ou não a pena encarar os efeitos negativos pegando o item. Essencialmente, a Malignancy tem uma variedade de desvantagens aleatórias, desde a elevação do temporizador de recarga para modos alt-fire até a adição de danos à queda. Para curar a Malignidade, os jogadores têm que completar mini-desafios, que adicionam uma camada interessante a cada corrida. Os parasitas operam da mesma forma, mas têm uma troca de custo-benefício muito mais clara quando se trata de seu uso, com seus efeitos sendo rotulados antes que um jogador os pegue.

Leia Também:   The Walking Dead: World Beyond - Leia nossa critica da série

Returnal incorpora elementos de muito além do gênero roguelike embora. É uma mistura bem sucedida de inferno de bala, Metroidvania, e até mesmo alguns segmentos de terror. Uma grande parte da narrativa do jogo se passa em uma casa misteriosa que, às vezes, parece ser parcialmente inspirada pela malfadada demonstração de terror PT. As sequências da casa são alguns dos momentos brilhantes do jogo e, de longe, o maior impulso para desvendar outros mistérios do jogo.

A narrativa de Returnal não é necessariamente o foco. Isso não o torna ruim, mas muito do que os jogadores aprendem é derivado da narrativa ambiental. Essencialmente, os jogadores estão tentando descobrir o que está fazendo o planeta girar, o que aconteceu com a raça senciente que habitava o planeta, e lentamente juntando partes do passado de Selene. Registros de áudio estão espalhados pelo planeta – geralmente em um passado cadáver de Selene – que detalham um pouco do que aconteceu em Atropos. Returnal também vê os jogadores decifrarem algumas das línguas das espécies perdidas para ler obeliscos que dão uma visão dos eventos que ali aconteceram. O planeta inteiro tem uma vibe semelhante a Alien ou Prometeu, que funciona bem para ele.

Returnal é um excelente jogo de vídeo flertando com a perfeição. Tem o ciclo de jogabilidade mais satisfatório que Housemarque criou até agora, o que diz muito considerando o pedigree do estúdio. Se os outros exclusivos do PlayStation no PS5 se sentirem até metade tão satisfatórios quanto o Returnal, os fãs estão dentro de uma geração de consoles.

Returnal será lançado em 30 de abril para PS5.

 

Tradução direta: Gamerant

 

Agamortis

Profissional de TI, amante de filmes de terror de gostos e qualidades duvidosas, séries, super-heróis e memes, muitos memes. Este site é para reunir tudo no mesmo local.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo