Como a morte do Super-Homem transcendeu os quadrinhos

Como a morte do Super Homem transcendeu os quadrinhos
Como a morte do Super Homem transcendeu os quadrinhos

Nos quadrinhos modernos, a morte de um super-herói é muitas vezes vista como uma moda passageira, com a maioria dos leitores assumindo que durará apenas um ano ou mais. Isso foi diferente 30 anos atrás, quando Superman #75 (de Dan Jurgens, Brett Breeding, Glenn Whitmore e John Costanza) foi lançado. A Morte do Superman foi um enredo revolucionário que transcendeu os quadrinhos. Com a Morte da Liga da Justiça e suas consequências sendo uma história contínua no universo DC, é interessante olhar para a morte do Superman e seu impacto na grande mídia no momento de seu lançamento inicial, 30 anos atrás.

Após os eventos de Crise nas Infinitas Terras, a DC relançou os quadrinhos do Superman, removendo elementos pré-Crise do personagem na tentativa de torná-lo mais acessível para uma nova geração (algo que eles fizeram novamente desde então). John Byrne assumiu as rédeas da linha de quadrinhos do Super-Homem e foi recebido com sucesso. Finalmente, no entanto, Byrne deixou o quadrinho em 1988, e foi assumido por uma nova equipe criativa. Após a saída de Byrne, a nova equipe teve problemas para aparecer com histórias nas múltiplas linhas de quadrinhos. Como resultado, foi sugerido que eles simplesmente matassem o personagem, uma ideia que eventualmente se concretizou.

Como a morte do Super-Homem transcendeu os quadrinhos

A história começou na página final de Superman: O Homem de Aço #17 (por Louise Simonson, Jon Bogandove, Dennis Janke, Glenn Whitmore e Bill Oakley) com uma imagem de uma parede de bunker sendo lentamente quebrada. Em Superman # 75, a parede entrou em erupção e Doomsday emergiu do bunker. Ele rapidamente fez uma aparição curta na Liga da Justiça Internacional, antes de encontrar o Superman. Os dois lutaram em todo o mundo, antes de finalmente acabarem em Metropolis. Superman e Doomsday continuaram a trocar socos, destruindo a cidade que os cercava. A batalha terminou com Superman matando Doomsday, apenas para morrer momentos depois nos braços de Lois Lane.

Quando foi anunciado que a DC planejava matar o Superman, a grande mídia começou a cobrir a história. Na época, foi visto como a morte de um ícone americano, com agências de notícias como The Washington Post, People Magazine e Newsweek publicando matérias sobre o evento. Como não havia planos publicamente conhecidos para trazer o personagem de volta, as pessoas ao redor do mundo começaram a ficar curiosas sobre o que o enredo iria segurar. Após seu lançamento, a história foi recebida com um sucesso inesperado, esgotando-se em lojas de todo o mundo. Os fãs estavam fazendo fila do lado de fora das lojas de quadrinhos, tentando colocar as mãos em uma cópia do Superman #75. A edição finalmente vendeu 6 milhões de cópias.

Como a morte do Super-Homem transcendeu os quadrinhos

A Morte do Superman e suas consequências em Reign of the Supermen tiveram um impacto duradouro nos mitos da DC Comics, levando à introdução de vários personagens favoritos dos fãs. O enredo de acompanhamento contou com a introdução dos personagens Superboy (Conner Kent), Steel, The Erradicator e o Cyborg Superman. Todos os quatro personagens permanecem básicos na linha de quadrinhos do Superman, assim como em outros títulos da DC. Doomsday também voltou a lutar contra o Superman muitas vezes desde a publicação da história. Além disso, The Death of Superman foi o catalisador para grandes eventos semelhantes que se seguiram durante os anos 90, incluindo Batman: Knightfall em 1993 e Lanterna Verde: Crepúsculo Esmeralda em 1994, que desconsideraram temporariamente seus personagens principais.

A Morte do Superman foi uma história única na época de seu lançamento, pois era raro que as empresas matassem os personagens titulares de seus livros. A história e suas consequências tiveram um impacto duradouro no mito do Superman. Também foi adaptado em outras mídias, como no filme de animação Justice League Unlimited, Batman v. Superman: Dawn of Justice e The Death of Superman. Até hoje, muitas empresas (incluindo a própria DC) ainda tentam gerar um burburinho semelhante em torno das mortes de seus personagens, mas nunca conseguiram superar A Morte Do Superman.

Sou um amante de séries, filmes, games, doramas, k-pop, animes e tudo relacionado a cultura pop, nerd e geek.