Quem é Okafor em The Walking Dead: The Ones Who Live, explicado

Okafor em The Walking Dead: The Ones Who Live
Quem é Okafor em The Walking Dead: The Ones Who Live
Continua após a publicidade ..

Introduzido na estreia da série “The Walking Dead: The Ones Who Live”, Okafor está diretamente ligado a eventos-chave na história de “The Walking Dead”, incluindo um da primeira temporada da série. Interpretado por Craig Tate, Donald Okafor foi retratado como um membro de alta patente do Exército da República Cívica, tornando-se uma figura proeminente dentro da força mais forte conhecida na franquia “The Walking Dead”. No entanto, isso não significa que ele seja um verdadeiro vilão na mesma linha de seus companheiros e superiores.

Surpreendentemente, Okafor não sobreviveu à sua estreia em “The Walking Dead”. O personagem teve um fim prematuro no final da estreia da série “The Walking Dead: The Ones Who Live”, quando o helicóptero dele e de Rick foi abatido. Apesar de sua morte, Okafor é mostrado como um personagem importante, já que o episódio o torna o catalisador para a nova aventura de Rick Grimes na franquia. Não só isso, mas acabou na série que Okafor interpretou uma mão secreta na história de “The Walking Dead” de duas maneiras diferentes.

Okafor é a razão pela qual Rick Grimes não foi morto pelo CRM

Conforme explicado pelo próprio Okafor, a sobrevivência de Rick até este ponto na linha do tempo de “The Walking Dead” se deve ao personagem de Craig Tate. Em sua discussão com Rick e Thorne, Okafor forneceu uma explicação completa para o que são As e Bs no mundo de “The Walking Dead”, dizendo que Rick era um A, alguém “disposto a morrer pelo que acredita”. Okafor explicou que, enquanto o CRM sequestra Bs, eles matam As. Aparentemente, eles veem As como ameaças, acreditando que podem fazer com que as pessoas os sigam.

Continua após a publicidade..
Na 9ª temporada de “The Walking Dead”, Jadis mentiu para o CRM quando disse que Rick era um B.

Como um A, Rick era alguém que o CRM normalmente gostaria de eliminar. Beale reconheceu que Okafor fez um “argumento convincente” para que Rick fosse deixado na cidade, mesmo que isso normalmente não fosse permitido. Particularmente, Okafor estava convencido de que Rick poderia ajudá-lo a trazer “mudança” para o CRM. Foi por esse motivo que Okafor – atuando nos bastidores – tomou medidas para garantir que Rick não fosse morto pelo CRM.

O fato de Okafor usar sua influência no CRM para manter Rick vivo oferece uma explicação adequada para o mistério da sobrevivência de Rick. Desde o final de “The Walking Dead”, quando Rick tentou escapar do CRM, houve muita especulação sobre por que o CRM não simplesmente o eliminou. Afinal, suas tentativas de fuga significam que ele tem sido mais um obstáculo do que um benefício para sua causa. Parece que, o tempo todo, Rick foi uma peça chave no plano de Okafor.

Okafor esteve envolvido no atentado de The Walking Dead em Atlanta

Além de desempenhar um papel na decisão do CRM de não matar Rick, Okafor também esteve profundamente envolvido em outro grande incidente no passado de “The Walking Dead”: o ataque a Atlanta. Na primeira temporada, foi revelado que os militares dos EUA lançaram bombas em Atlanta como parte da Operação Cobalto, um plano para conter a propagação do vírus, sacrificando toda a cidade, mesmo que isso resultasse em baixas civis em massa. Okafor admitiu ter tido um papel no que aconteceu naquele dia. Como membro das Forças Armadas, Okafor participou do bombardeio de Atlanta, assim como de Los Angeles.

Antes de se unir ao major-general Beale e ao CRM, Okafor serviu na Força Aérea e, sob ordens, bombardeou as duas cidades, embora – como ele disse a Rick – reconhecesse que as pessoas ali morreram “por nada”. O próprio CRM expressou desaprovação ao ataque em Atlanta, com Beale chamando aqueles que o executaram de “monstros”.

Okafor, como oficial da Força Aérea, detinha muita autoridade antes de se associar ao CRM. A extensão de sua autoridade foi ilustrada pelas histórias compartilhadas com Rick por Beale e Okafor. Beale explicou que tinha o “poder” de desafiar ordens e impedir o bombardeio da Filadélfia, uma das cidades que ele deveria destruir.

No entanto, ele mudou de rumo quando chegou a hora de bombardear a Filadélfia. Em vez de causar destruição desnecessária em mais uma cidade, Okafor optou por bombardear as forças militares, resultando na morte de 4000 fuzileiros navais. Beale mencionou que Okafor “trocou de lado”, atribuindo essa decisão à preservação do que o CRM é hoje. Beale explicou que o CRM era originalmente a Guarda Nacional da Pensilvânia, estacionada na Filadélfia. Segundo ele, o CRM não teria alcançado seu status atual, nem construído sua base secreta, se não fosse pelas ações de Okafor.

Continua após a publicidade..

Dada a importância crucial de Okafor na sobrevivência da força que se tornaria o CRM, não é surpreendente que suas ações – combinadas com sua experiência militar – o tenham levado a alcançar uma alta patente no CRM. No primeiro episódio de “The Walking Dead: The Ones Who Live”, Okafor é um tenente-coronel do CRM e um dos oficiais de mais alto escalão. O major-general Beale é o único membro estabelecido do CRM conhecido por ter mais poder do que ele no universo de “The Walking Dead”.

Continua após a publicidade..

Sair da versão mobile