Pacificador: Final da série explicado

Amigos ou Paz, qual vem primeiro? E os fins justificam os meios? Veja o final explicado da explosiva série Pacificador.

Atenção: O artigo abaixo contém spoilers da 1ª temporada de Peacemaker.

Após oito episódios, O Pacificador da HBO Max chega ao fim com um final explosivo que prova de uma vez por todas como o escritor e diretor James Gunn pode criar histórias profundamente humanas no cenário de fantasia mais selvagem. O primeiro spinoff de O Esquadrão Suicida segue John Cena como o aspirante a ser herói, um homem defeituoso que começa a se perguntar se os fins justificam algum tipo de meios. Enquanto a disputa moral no centro de Pacificador é uma questão filosófica que caça a humanidade por séculos, a série também mergulha profundamente na mitologia de DC com uma invasão alienígena, controle da mente, operações secretas do governo e, claro, superpoderes.

Então, agora que a série teve seu episódio final, é hora de vermos tudo e explicar o que exatamente aconteceu no final da 1ª temporada de Pacificador.

Isso é um Kaiju?

Pacificador começa alguns meses após os eventos de Esquadrão Suicida, depois que o anti-herói de Cena passa semanas em um hospital, se curando de um tiro quase fatal e um prédio inteiro caindo sobre sua cabeça. Pacificador acha que suas desgraças podem ser uma bênção disfarçada, como a polícia parece não saber de seu paradeiro, e ele pode voltar para sua antiga vida. Mas, infelizmente, logo depois que ele escapa do hospital, ele se envolve novamente com Amanda Waller (Viola Davis) e suas equipes de operações negras. Desta vez, Pacificador é chamado para o Projeto Borboleta, uma equipe que investiga uma invasão alienígena.

A equipe do Projeto Borboleta também inclui os agentes do Esquadrão Suicida Economos (Steve Agee) e Harcourt (Jennifer Holland), com outros reforços vindos de dois novos personagens criados especialmente para a série: o espião veterano Murn (Chukwudi Iwuji) e a filha de Waller, Leota Adebayo (Danielle Brooks). Não demora muito para o “BFF” Vigilante (Freddie Stroma) do Pacificador também se juntar ao Projeto  extraoficialmente.

Com o passar da temporada, Pacificador e a equipe aprendem mais sobre a ameaça alienígena, uma legião de criaturas semelhantes a insetos que podem entrar em corpos humanos, absorvendo suas memórias e ganhando controle total de suas ações. Um corpo infectado com uma “Borboleta” também tem força e agilidade sobre-humanas. As criaturas vieram do espaço depois que seu planeta foi destruído, e enquanto eles chegaram pacificamente na Terra, eles estão agora determinados a conquistar o planeta controlando principalmente políticos e pessoas importantes.

Em cada episódio, Pacificador revela mais sobre as Borboletas. A equipe logo descobre seu maior ponto fraco: os alienígenas não podem consumir qualquer alimento da Terra e dependem de néctar único produzido por uma vaca espacial. Há uma única vaca na Terra fornecendo toda a rede de borboletas, e se o Pacificador retirar o suprimento de comida, todas as borboletas morrerão pouco tempo depois. É por isso que, no final da temporada, a equipe lança um ataque contra o celeiro dos alienígenas, enfrentando a lagarta-bolha do tamanho de um kaiju que os alienígenas chamam de vaca. Embora a batalha seja bastante simples, e a vitória do Projeto Borboleta seja quase garantida, o final sublinha a discussão moral do show sobre o preço da paz, dando ao Pacificador a chance de se juntar aos alienígenas para ajuda-los, mas recusado por ele.

Escolhas

Parte do que faz do Pacificador um vilão/anti-herói tão interessante é como ele acredita, com todas as suas energias, que ele está fazendo o que precisa ser feito para um bem maior. Pacificador não hesita em puxar o gatilho porque os fins justificam os meios para ele. Então, tornar-se um monstro é um pequeno preço a pagar por evitar que pessoas inocentes morram sem motivo. Nesse sentido, Pacificador não é tão diferente de Amanda Waller, que está disposta a infringir qualquer lei e destruir qualquer vida pelo bem dos Estados Unidos. E, como o final do Pacificador revela, é assim também que Goff, o líder dos alienígenas, vê as ações das Borboletas.

Nos momentos finais da batalha contra as Borboletas, Goff estende a mão ao Pacificador, revelando que o plano de conquistar o mundo dos alienígenas é motivado pela incapacidade dos humanos de proteger seu próprio planeta. As Borboletas foram forçadas a fugir de seu planeta natal porque se recusaram a ouvir cientistas e continuaram destruindo seus recursos naturais. Então, uma vez que as Borboletas perceberam que os humanos estavam trilhando o mesmo caminho destrutivo, eles juraram fazer o que pudessem para evitar a extinção da humanidade. Vidas singulares não são importantes para as Borboletas, porque toda a sobrevivência da espécie está em jogo. E assim, Goff justifica os atos atrozes das Borboletas, incluindo matar milhares de hospedeiros humanos, incluindo crianças, em seu caminho para conquistar o mundo.

Quando Goff fala com o Pacificador, o líder alienígena aponta como o anti-herói também prometeu manter a paz por todos os meios necessários. No entanto, enquanto ajudar as Borboletas a escravizar a humanidade seria uma possível ação para o Pacificador há algum tempo, suas recentes aventuras com sua nova equipe o levaram a questionar seus métodos e tentar melhorar como pessoa.

Por exemplo, Pacificador sabe que não quer ser como Waller, que forçou sua filha Leota a plantar um diário falso na casa do anti-herói para culpa-lo por todas as mortes causadas pela equipe de operações negras. Enquanto Leota seguiu a ordem por uma questão de paz nos EUA, ela machucou seu amigo no processo, e Pacificador não quer cometer o mesmo erro. A paz não é suficiente quando não podemos proteger as pessoas que amamos. Então, Pacificador recusa a oferta de Goff, ajudou a matar a vaca, e acabou com a invasão alienígena.

Embora isso seja um passo maciço no caminho do anti-herói para a redenção, o final também provoca como o caminho para a auto melhoria está cheio de obstáculos. Embora o Pacificador tenha matado seu pai nazista (Robert Patrick), o Dragão Branco ainda assombra seu filho como um fantasma. No final, O Dragão Branco promete ser um lembrete constante de que o Pacificador não passa de uma máquina de matar que pode nunca se livrar de todo o sangue em suas mãos.

Há também boas notícias e uma enorme agitação DCEU, como Leota tenta redimir seus próprios pecados, ela vai até a imprensa e as forças policiais e fala o diário encontrado é falso e não é do Pacificador. Além de limpar o nome do anti-herói, Leota também expõe as operações de sua mãe, revelando a existência do Esquadrão Suicida para o mundo inteiro. Então, no final da temporada, Pacificador está livre para viver sua vida, o time é derrotado, mas no caminho para a recuperação, Waller terá dificuldade em manter a Força-Tarefa X viva.

Há muito que a série poderia explorar na próxima segunda temporada. Ainda assim, mesmo que o perigo da invasão alienígena tenha acabado, o final de Pacificador prova que a série é, em sua essência, um estudo da natureza humana, os valores que escolhemos para impor, e quão longe estamos dispostos a ir por nossos ideais. Um final grandioso pra uma série grandiosa.

 

Sair da versão mobile