K-Drama/K-Pop

A Lição: Conheça a história real que a série se baseou

Vamos dar uma olhada no incidente da vida real de partir o coração que inspirou 'A Lição' da Netflix

A corajosa série da Netflix de uma mulher em uma busca vingativa, anos depois de ser intimidada no ensino médio, recebeu aclamação por sua narrativa vívida. Isso, em parte, é cortesia de vários eventos da vida real que os criadores levaram em conta antes de filmar. Veja o que inspirou o drama sul-coreano A Lição (The Glory).

Estrelado por Song Hye-Kyo, Lee Do-Hyun, Lim Ji-Yeon, Yeom Hye-Ran, Park Sung-Hoon e Jung Sung-Il, The Glory segue uma mulher que assume a posição de professora de sala de aula como parte de um elaborado esquema de vingança para se vingar de um conjunto de pessoas que fizeram do ensino médio uma paisagem infernal para ela. A série de duas partes da Netflix é dirigida por Ahn Gil-ho e escrita por Kim Eun-sook. Este último – que é conhecido por escrever dramas muito populares como Goblin e Descendentes do Sol – usa detalhes violentos no programa para retratar casos de bullying. Estes, ela revelou mais tarde, foram inspirados por uma conversa com sua filha sobre violência escolar, bem como extensas interações com sobreviventes reais do mesmo.

[embedyt] https://www.youtube.com/watch?v=zCcrgUY1Qhs[/embedyt]

Os terríveis detalhes do bullying de A Lição (The Glory) espelham ocorrências da vida real

A Parte 1 do K-drama mostra Dong-Eun sendo atormentada – psicológica e fisicamente por seus colegas de classe. Isso inclui ser queimado por um ferro de enrolar o cabelo e arranhado com alfinetes. A protagonista é pobre, com seus pais sendo incapazes de apoiá-la. O principal valentão, Park Yeon-Jin, no entanto, é de uma família rica. Em um conjunto perturbador de eventos, quando Dong-Eun relata o abuso na escola, seu professor da sala de aula a espanca repetidamente no meio da sala de funcionários. Ela também tenta ir à polícia, mas é ignorada e depois castigada por denunciar uma pessoa de uma família rica. Carregando suas marcas de queimadura como símbolo dessa injustiça, a protagonista sofre de estresse pós-traumático, com um episódio vendo-a no chão de uma oficina mecânica tendo um ataque de pânico. Mais tarde, ela abandona a escola, desistindo de seu sonho de ser arquiteta.

the glory - a lição

Isso é uma reminiscência de um incidente sul-coreano de partir o coração em 2006 em uma escola para meninas em Cheongju, quando três estudantes da nona série intimidaram seu colega de classe por mais de duas semanas. De acordo com um relatório do Korea Herald, os agressores pediam dinheiro à vítima. Quando essa demanda não era atendida, eles a atingiam com um taco de beisebol, a queimavam com uma varinha de enrolar, arranhavam seu peito com uma barrette ou até mesmo a abusavam com punhos e pés. A vítima observou que suas feridas não tinham tempo para cicatrizar, já que os abusadores queimavam seu corpo a cada dois dias para verificar a temperatura do enrolador de cabelo. Eles também, alegadamente, descascaram suas crostas de cura como punição. O abuso acabou levando a um cóccix saliente e a uma hospitalização de seis semanas.

Dito isto, ao contrário do drama, o Tribunal Distrital de Cheongju emitiu um mandado de prisão contra um dos agressores, citando brutalidade. A estudante admitiu seus crimes ao longo da investigação. A escola e os professores também foram condenados por lidarem mal com a situação. Na série, no entanto, é apenas na Parte 2 que alguma aparência de justiça começa a aparecer, com o plano de vingança do protagonista sendo colocado em movimento.

O programa provocou conversas sobre a violência peer-on-peer na Coreia do Sul, que um relatório da Time observa, é bastante prevalente. As vítimas, segundo a pesquisa, são muitas vezes de origens socioeconômicas baixas. A roteirista refletiu sobre como os ricos são protegidos por sua riqueza, com a segurança de sua própria filha sendo garantida por sua posição na sociedade. “Acho que a maioria das vítimas não consegue resolver o problema assim porque não tem pais ricos. Eles não vivem em um ambiente como [aquele] onde minha filha é criada. Então eu queria torcer por eles porque a realidade é dura. E espero que a vingança de Dong-eun seja bem-sucedida”, observou ela.

Acelino Silva

Sou um amante de séries, filmes, games, doramas, k-pop, animes e tudo relacionado a cultura pop, nerd e geek.
Botão Voltar ao topo