Notícias

Um dos melhores filmes de super-heróis foi feito durante uma greve de roteiristas

Um dos melhores filmes de super-heróis foi feito durante uma greve de roteiristas

Em 1988, o Writers Guild of America passou 153 dias em greve. Também em 1988, fazer um filme do Batman era um risco, quanto mais um supervisionado por Tim Burton e estrelado por Michael Keaton. Os estúdios cercaram, assombraram e recusaram a ideia de um Cruzado Caped mal-humorado, preferindo a série de televisão camptastica dos anos 1960 estrelada por Adam West. Embora Beetlejuice tenha sido um sucesso de bilheteria estrondoso no mesmo ano em que Batman finalmente entrou em produção, Burton foi removido anos do status de nome familiar. Keaton, por sua vez, ainda era um ator promissor com apenas um punhado de papéis principais em seu currículo. Todos esses fatores significaram desastre, certo?

A Warner Bros decidiu mergulhar e seu enorme risco valeu a pena com um blockbuster verdadeiramente inovador, cujos efeitos ainda são sentidos hoje com sua inclusão em The Flash. No entanto, o momento da greve do Writer’s Guild significou que o roteirista original do BatmanSam Hamm, terminou seu roteiro poucos dias antes do início da greve. Isso pode ter sido bom, exceto que Burton trouxe roteiristas adicionais para ajustar o roteiro durante as filmagens. Dica: as coisas ficam bagunçadas.

Como a greve dos roteiristas de 1988 afetou ‘Batman’?

Um dos melhores filmes de super-heróis foi feito durante uma greve de roteiristas

Em sua autobiografia Burton On Burton, o diretor reflete que:

“Começamos com um roteiro que todos gostavam, embora reconhecêssemos que precisava de um pouco de trabalho. Todo mundo achou o roteiro ótimo, mas ainda achavam que precisava de uma reescrita total.”

Com a greve do WGA em vigor, Sam Hamm se recusou a cruzar a linha de piquete e trabalhar com Burton em qualquer reescrita (como deveria). Os principais colaboradores para o novo roteiro de Burton foram Warren Skaaren, um roteirista e roteirista que co-escreveu Beetlejuice e ajudou em Top Gun, bem como Jonathan Gems Charles McKeown. Gems era dramaturgo e roteirista e McKeown era escritor e ator com conexões colaborativas com o grupo Monty Python’s Flying Circus. Ambos eram britânicos e, portanto, basicamente os únicos escritores disponíveis na época.

Mudanças no roteiro de Hamm incluíram o Coringa (Jack Nicholson) assassinando os pais de Bruce Wayne, a decisão de Alfred Pennyworth (Michael Gough) de revelar a vida dupla de Bruce trazendo Vicki Vale (Kim Basinger) para a Batcaverna, e Vicki se transformando em uma donzela inconsistentemente caracterizada em perigo. Todas permanecem escolhas divisivas até hoje. Quando Batman chegou aos cinemas, em 1989, o que restava da obra de Hamm “recebeu uma história por crédito”.

Algumas das reescritas específicas de Vicki podem ter sido devido a circunstâncias imprevistas; Sean Young, de Blade Runner, foi inicialmente escalado como o repórter investigativo até sofrer uma lesão. Basinger assumiu o papel, mas as câmeras já estavam rolando há um mês. Adiar as filmagens para escrever novas cenas em um ritmo descontraído não foi possível; todos os dias significariam apenas dinheiro pelo ralo. Com uma enxurrada de mudanças de roteiro acontecendo no set, Burton e sua equipe devem ter sentido um pesadelo de incerteza. A pior alteração, no entanto, originou-se da imaginação hiperativa de um produtor. O pesadelo de incerteza de Burton estava longe de terminar: pode-se dizer que estava apenas começando.

Santo adereço caro, Batman!

Um dos melhores filmes de super-heróis foi feito durante uma greve de roteiristas

Jon Peters é um produtor executivo de cinema e ex-cabeleireiro com uma reputação notoriamente hediondo. Um perfil do New York Times sobre Peters e seu colega produtor Peter Guber de 1989 chamou Peters de “o canhão solto no convés que consegue alienar a maioria de todos que Guber encantou. Em seu rastro vêm histórias sussurradas de um temperamento de gatilho de cabelo, birras, fisticuffs.” Na mesma peça, o ex-agente de Barbra Streisand descreveu trabalhar com Peters como “como tentar resistir a um furacão”. Peters produziu uma das bombas de bilheteria mais desagradáveis de Hollywood; Neil Gaiman chamou a adaptação do roteiro de Peters da série Sandman de Gaiman de “o pior roteiro que eu já li por alguém”; e Christopher Nolan baniu Peters do set do Homem de AçoPeters também pagou mais de US$ 3 milhões a uma ex-assistente que ele abusou sexualmente

Quando se trata do Batman de Burton, o maior envolvimento de Peters foi gastar US$ 100 mil em uma bola parada não aprovada. Sim, não aprovado – Peters não pediu permissão a Burton, deixando o diretor com um modelo de 38 pés de uma torre de catedral quando a produção já estava supostamente ultrapassando seu orçamento de US$ 35 milhões. Ao encomendar o adereço, Peters essencialmente reescreveu o final do filme sem consultar o diretor. Poderia ter sido um erro de US$ 100 mil; como está, foi mais de US $ 100 mil em estresse.

Skaaren, que estava nos Estados Unidos trabalhando em Days of Thunder como roteirista não creditado, pegou um avião para o Pinewood Studios, em Londres, para descobrir o problema de 38 pés pessoalmente. Ao longo de “uma semana de trabalho intensivo pouco antes do Natal”, Skaaren reescreveu freneticamente o conceito original, onde Batman entra em uma fúria assassina depois que o Coringa mata Vicki Vale. Em vez disso, o Coringa sequestra Vale, e eles fazem aquela dança estranha até o telhado da catedral. Uma luta se segue, terminando com o Coringa caindo para a morte e Vale escapando ileso (mas não reaparecendo na sequência).

Com um preço tão alto, Burton não teve escolha a não ser usar o adereço para o final, mesmo que ele achasse isso absurdo. “Aqui estava Jack Nicholson e Kim Basinger subindo esta catedral”, disse ele, “e no meio do caminho Jack se vira e diz: ‘Por que estou subindo todas essas escadas? Para onde vou?’ E eu tive que dizer a ele que não sabia.”

 

Acelino Silva

Sou um amante de séries, filmes, games, doramas, k-pop, animes e tudo relacionado a cultura pop, nerd e geek.
Botão Voltar ao topo