10 K-Dramas que geraram polêmica

Continua após a publicidade..

Os K-dramas fizeram um boom notável nas últimas duas décadas, especialmente agora que serviços de streaming como a Netflix não apenas os disponibilizaram para o público em escala global, mas também produziram alguns títulos originais próprios: Dra. ChaA LiçãoUnder the Queen’s UmbrellaAlquimia Das AlmasUma Advogada ExtraordináriaRound 6 e Kingdom são bons exemplos. Seja ficção histórica, terror vampiresco ou zumbi, romance de fantasia, thriller pós-apocalíptico, viagem no tempo ou comédia romântica, esses programas são elogiados por seus protagonistas dignos de desmaio, trajes de bom gosto, direção de arte colorida, diálogos atraentes e grande atenção aos detalhes simbólicos.

No entanto, conservadores e sem problemas como a maioria dos K-dramas podem ser, pelo menos em comparação com as produções ocidentais, algumas séries causaram bastante agitação durante e às vezes até mesmo antes de seu lançamento. Da colocação de produtos à provocação histórica, apropriação cultural, cenas de sexo escandalosas e referências insensíveis a doenças crônicas, vários programas conseguiram ofender os espectadores, seja na Coreia do Sul ou em outros países.

Aqui estão os 10 K-dramas que ganharam as manchetes e foram fortemente criticados por terem causado um rebuliço entre os espectadores no Sudeste Asiático ou em outras partes do mundo.

Continua após a publicidade..

10 – Narco-Santos

Narco-Santos

Inspirado em Narcos e Narcos: México, da Netflix, e baseado em fatos reais, a série de 6 episódios Narco-Santos, também conhecido como O Narco Acidental, gira em torno de Kang In-gu (Ha Jung-woo), um empresário que é forçado a colaborar com o Serviço Nacional de Inteligência para derrubar Jeon Yo-hwan (Hwang Jung-min), um traficante sul-coreano que opera no Suriname. O governo do Suriname apresentou uma queixa formal sobre o retrato negativo do país. De acordo com o The Hollywood Reporter, o ministro das Relações Exteriores, Albert Ramdin, disse que “o Suriname não tem mais a imagem que emerge na série ou não participa mais desse tipo de prática”.

9 – Vinte Cinco, Vinte e Um

Vinte Cinco, Vinte e Um

O drama romântico Vinte Cinco, Vinte e Um, estrelado por Kim Tae-ri e Nam Joo-hyuk, foi criticado por promover o amor entre um adulto e um menor. Embora os protagonistas tivessem apenas uma diferença de idade de quatro anos, a personagem de Tae-ri, Na Hee-do, ainda estava no ensino médio quando foi pedida em casamento. Além disso, no episódio 15, o repórter Back Yi-jin (Joo-hyuk) está cobrindo o ataque terrorista de 9/11, e Hee-do sorri com orgulho enquanto o observa na tela. A cena irritou os espectadores americanos por serem insensíveis, “não apenas por trazer à tona o ataque terrorista mortal, que ainda pode ser um trauma horrível para as vítimas e suas famílias, mas também por usá-lo para retratar a relação difícil dos personagens”.

8 – Backstreet Rookie

Backstreet Rookie

A Comissão de Padrões de Comunicações da Coreia recebeu mais de 7000 reclamações depois que os primeiros episódios de Backstreet Rookie foram ao ar, criticando sua objetificação de mulheres jovens. Baseada no webtoon de mesmo nome e estrelada por Ji Chang-wook como Choi Dae-hyun e Kim Yoo-jung como Jung Saet-byul, esta comédia romântica gira em torno de uma menor que trabalha no turno da noite em uma loja de conveniência, onde ela e o gerente adulto se apaixonam. A Comissão de Padrões de Comunicação da Coreia foi rápida em dar um tapa na SBS TV com um aviso “por exibir cenas provocativas e inapropriadas”, algumas das quais foram retiradas mais tarde.

7 – Mr. Queen

10 K-Dramas que geraram polêmica

A fantasia histórica e comédia romântica Mr. Queen, estrelada por Shin Hye-sun como a rainha Cheorin e Kim Jung-hyun como o rei Cheoljong, gira em torno de uma rainha que de repente vê seu corpo tomado pela alma de um homem moderno. Embora essa troca de gênero por si só tenha levantado algumas sobrancelhas, os 700 telespectadores que reclamaram à Comissão de Padrões de Comunicações da Coreia ficaram indignados com o fato de os Registros Verídicos da Dinastia Joseon, considerados um tesouro nacional, terem sido rotulados como um “mero tabloide” no programa. Sem contar que o escritor do romance chinês original em que esta obra se baseia é conhecido por sempre pintar seu país negativamente.

6 – A Cobertura (The Penthouse: War in Life)

A Cobertura (The Penthouse- War in Life)

O premiado thriller de vingança The Penthouse: War in Life, focado nas famílias ricas do Palácio Hera e seus filhos na Escola de Artes Cheong-ah, não é desprovido de cenas provocativas. Na terceira temporada, um dos personagens, Alex (Park Eun Suk), ostentava tatuagens no rosto, dreadlocks, dentes de ouro e muito bling, e usava gírias afro-americanas. Isso foi apelidado de apropriação cultural e até racismo pelo público jovem internacional. O ator pediu desculpas em suas redes sociais, e os criadores mudaram sua aparência e maneirismo.

A segunda polêmica dizia respeito ao uso de um clipe de notícias do terremoto de Pohang em 2017 e do acidente no prédio de Gwangju em 2021. Após denúncias das famílias das vítimas, a SBS removeu as imagens.

5 – Round 6

10 K-Dramas que geraram polêmica

O thriller de sobrevivência e terror da Netflix multipremiado e multinomeado Round 6 é sobre uma série de competições infantis mortais com concorrentes adultos com dificuldades financeiras. Apesar de seu sucesso global e de crítica, a série teve dois percalços. Ele usou um número de telefone real de oito dígitos no cartão de visita do convite, o que levou milhares de espectadores enlouquecidos a discá-lo e assediar o homem inocente realmente associado a ele. A Netflix então o aconselhou a mudar seu número, mas ele argumentou que era impossível porque estava ligado ao seu negócio. Além disso, de acordo com o Korea Times, “outra pessoa, cujo número de telefone tem apenas um dígito diferente do da série, postou a captura de tela de seus registros de chamadas telefônicas nas redes sociais e escreveu: “O estresse de trotes incessantes está me deixando louco”.

Eventualmente, as cenas exibindo os dígitos foram editadas.

Em outra nota, uma cena de sexo desprotegida e frenética, com Kim Joor-yeong como Han Mi-nyeo e Heo Sung-tae como Jang Deok-su em um cubículo de banheiro, não caiu bem entre o público conservador sul-coreano. Sem contar que muitos acharam que todo o show foi fortemente criticado por seu “gore e violência desnecessários”.

4 – Joseon Exorcist

10 K-Dramas que geraram polêmica

O período sobrenatural de Joseon Exorcist foi criticado após exibir apenas dois episódios. A infinidade de adereços chineses, comida, bebidas alcoólicas e imprecisões históricas angustiou o público e a crítica. As marcas retiraram seus patrocínios e 156 mil pessoas assinaram uma petição pedindo o cancelamento do drama. A série foi encerrada em 000 de março de 6, antes mesmo do término das filmagens.

3 – True to Love

10 K-Dramas que geraram polêmica

A comédia romântica True to Love, também conhecida como Bo-ra! Deborah, estrela Yoo In-na como life coach e influenciadora de namoro. No 9º episódio, ela compara a importância de manter o traje e a maquiagem com os esforços dos prisioneiros do infame campo de concentração de Auschwitz, dizendo: “Onde as pessoas viviam em condições deploráveis, algumas delas conseguiram tomar meio copo de água e usaram a porção restante para lavar o rosto. Eles ainda usaram um pedaço de vidro e a parte de trás de uma bandeja como espelho para fazer a barba. E sobreviveram. Cuidar da aparência e se vestir é uma questão de sobrevivência.” Essas falas foram consideradas chocantes e insensíveis, e a equipe de produção emitiu um comunicado dizendo: “Deveríamos ter abordado os fatos históricos com maior precisão, e lamentamos profundamente não ter feito isso. Nossa intenção nunca foi banalizar tragédias históricas e oferecemos nossas sinceras desculpas.”

2 – Snowdrop

10 K-Dramas que geraram polêmica

A dramédia romântica de ação sombria Snowdrop, ambientada em 1987 e estrelada por Jung Hae-in, Jisoo, membro do BLACKPINK, e Yoo In-na, foi ao ar na JTBC de dezembro de 2021 a janeiro de 2022. Sua própria premissa gerou polêmica, porque estava enraizada na luta do país pela democracia, e apresentava um espião norte-coreano se apaixonando pelo estudante sul-coreano que o salvou. Mais de 200 mil cidadãos entraram com uma petição para seu cancelamento porque distorceu fatos para se encaixar na narrativa romântica e retratou um inimigo de maneira carismática.

Continua após a publicidade..

1 – A Lição (The Glory)

a lição - the glory

A Lição (The Glory), da Netflix, gerou bastante burburinho por abordar bullying físico e emocional, violência doméstica, abuso de substâncias, vingança, traição, distanciamento familiar e predadores infantis. A maneira brutal como esses temas pesados foram explorados sozinhos estava mais de acordo com os padrões ocidentais do que com a mídia tradicional sul-coreana, sem mencionar que a cena de sexo e nudez envolvendo a comissária de bordo Choi Hye-jeong (Cha Joo-young) e o herdeiro do clube de campo Jeon Jae-joon (Park Sung-hoon), no episódio 13, foram consideradas “vulgares demais”.

Mas isso não é tudo. O próprio diretor, Ahn Gil-ho, foi tachado de hipócrita porque se envolveu em um caso de bullying quando tinha 17 anos e estudava nas Filipinas. De acordo com seu advogado,

“ele quer pedir perdão do fundo de seu coração e gostaria de se encontrar pessoalmente ou se comunicar por telefone para transmitir seu pedido de desculpas aos afetados”.

A série foi inspirada em uma série de incidentes reais de bullying que ganharam as manchetes na Coreia do Sul e no Japão.