Séries

Round 6: Final da série explicado

Round 6 entrega um final satisfatório que mergulha em muito mais do que quem ganha a competição mortal.

Este artigo contém spoilers para ROUND 6, disponível na netflix.

Para uma série com uma premissa relativamente bem desgastada, Round 6 da Netflix com certeza consegue embalar muitas surpresas em sua conclusão. Ela faz isso em grande parte reconhecendo que o sucesso da série não depende tanto de quem ganha o jogo, mas de como eles ganham e o que tudo isso significa. Como o início do show, grande parte da última hora de Round 6 é ambientada fora do mundo da arena — desta vez, um ano após os eventos da maior parte da série.

Quem ganha Round 6 no final?

Embora a essência da conclusão de Round 6 venha de fora do jogo, a rodada final é eficaz. Em um retorno à cena de abertura da série, que mostra crianças jogando o “jogo da lula” enquanto Gi-hun explica as regras, os dois últimos competidores devem se enfrentar no jogo infantil. É especialmente apropriado (e deprimente) que os dois competidores finais sejam Gi-hun e Cho Sang-woo, já que os dois cresceram na mesma cidade e costumavam jogar lula juntos quando crianças. Mais do que isso, Sang-woo foi considerado um sucesso pela sociedade (bem, até aquela parte) e Gi-Hun, um fracasso. Ao colocar esses dois um contra o outro no desafio final de Round 6 e deixar bem claro quem é o humano mais humano, a série está questionando as métricas pelas quais medimos o status e o valor em nosso mundo.

Conforme Round 6 avança, a competição torna-se cada vez mais encorajadora de violência entre os competidores. Isso é especialmente verdadeiro para a rodada final, em que Gi-hun e Sang-woo podem usar a força para atacar uns aos outros – até mesmo até a morte. É sobre ganhar o jogo da lula ou fazer com que seu oponente não ganhe o jogo da lula … ou qualquer outra coisa. É bárbaro e cru e, por um momento, parece que Gi-hun pode sucumbir ao tipo de brutalidade desesperada que já conquistou tantos neste jogo.

Depois de uma luta feia, Gi-hun consegue derrubar Sang-woo no chão e fazer o seu caminho para o círculo desenhado na areia que, se ele entrar, significaria sua vitória e a morte de Sang-woo. Ele quase faz isso também – está tão zangado com Sang-woo, que ao longo do jogo percebeu que está disposto a matar para garantir sua vitória, mas  no final, a vida humana vale mais para Gi-hun do que qualquer quantia em dinheiro. É o que Kang Sae-byeok o lembrou pouco antes de morrer (pelas mãos de Sang-woo). Todos nós temos a capacidade de fazer coisas boas e terríveis. Gi-hun pode ter um bom coração, mas, o que é mais impressionante, é capaz de agir com ele.

Isso é exatamente o que Gi-hun faz, percebendo que ele não precisa escolher o dinheiro em vez da vida humana. Uma das três regras do jogo permite que a competição seja cancelada caso a maioria concorde em encerrá-la. O grupo decretou isso após a primeira rodada, antes de decidir reinstaurar o jogo logo depois. Para a surpresa dos VIPs assistindo de sua cabine dourada, Gi-hun volta para Sang-woo e pede que ele saia com ele encerrando o jogo. Sang-woo parece considerar isso, estendendo a mão para a mão estendida de Gi-hun, antes que ele, em vez disso, pegue a adaga enterrada no chão ao lado de sua cabeça e a enfie em seu próprio pescoço. Ele morre nos braços de Gi-hun.

Por que Sang-woo faz isso? Talvez ele esteja muito envergonhado do que fez, tanto na arena quanto fora dela. Ou talvez ele não aguente enfrentar sua mãe e outras pessoas sem o dinheiro. Talvez ele faça as contas e perceba, neste momento, que a única maneira de levar o dinheiro para sua mãe é garantir que Gi-hun ganhe e ajude a mulher que ele conhece desde criança. Talvez ele esteja apenas cansado e traumatizado. Provavelmente, é tudo isso. Seja qual for o motivo, Sang-woo se mata e Gi-hun ganha o jogo. No final, porém, acho que está claro que ninguém realmente ganha o jogo.

Quem são as pessoas que morrem no jogo?

Pode ser mais fácil listar quem não morre. Nenhum dos 456 competidores do jogo conseguiu sair, exceto o protagonista Gi-hun e o velho competidor Oh Il-nam (mais sobre isso a frente). Ali é enganado por Sang-woo para dar todas as suas bolinhas de gude na Quarta Rodada e é morto pelos soldados. Han Mi-ryeo tem sucesso em sua promessa de matar o gangster Jang Deok-su quando ela o agarra e joga os dois para fora da ponte de vidro no quinto round. Kang Sae-byeok, a mulher norte-coreana que quer voltar para seu irmão, é morta por Sang-woo na preparação para a rodada final.

Leia Também:   La Casa De Papel: Netflix divulga trailer da segunda parte da última temporada

As mortes notáveis ​​na conclusão da série que acontecem fora da arena incluem Hwang Joon-ho, o policial que se infiltra no game com bastante eficácia, apenas para ser morto pelo Front Man, também conhecido como seu próprio irmão. E também a mãe de Gi-hun, que Gi-hun encontra morta ao retornar para seu apartamento depois de vencer o jogo. Presumivelmente, ela morreu de complicações de diabetes, que se mostrou muito séria no segundo episódio.

O Irmão de Joon-ho: Quem é In-ho afinal?

No oitavo episódio da temporada, “Front Man”, Hwang Joon-ho consegue sair da ilha da arena com evidências do jogo. Ele é caçado pelo Front Man do jogo e seus capangas. Joon-ho tenta pedir reforços e enviar as provas que reuniu ao chefe de polícia, mas não consegue devido ao mau serviço do telefone celular. Ele está encurralado em um penhasco alto e rochoso e naquele momento ele  acaba por descobrir que o chefe do game era seu próprio irmão, In-ho.

No episódio 5, “A Fair World”, Joon-ho descobre que seu irmão foi um vencedor anterior do game – em 2015, cinco anos antes. De alguma forma, In-ho passou de vencedor a principal força controladora – provavelmente em grande parte porque, como vemos pela forma como Gi-hun responde à vitória, não é fácil superar o trauma extremo do game. In-ho está tão comprometido com seu papel de frontman que atira em seu próprio irmão, quando Joon-ho se recusa a se render a ele. Joon-ho, que passou a temporada inteira recolhendo evidências do Jogo, cai na água, provavelmente para a morte e provavelmente com todas as evidências que reuniu.

Quem é o líder principal do Jogo?

Esta é uma questão complicada porque não entendemos verdadeiramente o escopo do game. Quando Joon-ho se infiltra no cofre de registros sob as salas do Front Man, ele encontra evidências de anos e anos de jogos como o que temos assistido. A discussão entre os VIPs também sugere que o jogo está sendo jogado em locais diferentes ao redor do mundo – isso pode significar que vários jogos estão acontecendo simultaneamente ou que acontecem ao longo do ano em locais diferentes. Sabemos pelos rótulos nos registros (honestamente, muito bem organizados) que há vários jogos todos os anos.

Logisticamente, o Front Man comanda o jogo com a ajuda dos trabalhadores, soldados e gerentes – também conhecidos como caras de macacão vermelho. No episódio final, Oh Il-nam, também conhecido como Concorrente 001, é revelado como o Líder do jogo e implica ser, se não a pessoa que comanda tudo. Ele conta mais da história de fundo do jogo em seu leito de morte para Gi-hun.

Por que Oh Il-nam resolveu participar dos jogos?

Descobrimos no episódio final que Oh Il-nam, o homem mais velho que Gi-hun fez amizade na arena e que todos pensávamos ter morrido na rodada das bolinhas de gude, na verdade sobreviveu ao Jogo. Isso porque ele é um de seus criadores. Ele optou por jogar o jogo depois de que foi diagnosticado com um tumor cerebral que o fez refletir sobre sua vida. Como ele conta a um compreensivelmente muito zangado Gi-hun, estando em seu leito de morte, um ano após o game, ele queria se sentir como quando era criança, brincando com seus amigos e perdendo a noção das horas.

Isso é muito triste e pesado para qualquer que assista a série. Para Il-nam, o jogo era realmente um jogo: algo para passar o tempo e fazê-lo se sentir vivo quando a vida normal não estava fazendo isso para ele. Claro, Il-nam não era como qualquer outro jogador. Ele não apenas teve a riqueza e o privilégio de buscar meios alternativos de “se sentir vivo” – como uma terapia – mas, quando ele perde para Gi-hun, ele não é morto. O Front Man pode defender a igualdade do jogo, mas não é uma competição justa – é planejado para a super elite, assim como o mundo exterior. A sobrevivência de Il-nam provou isso, se já não fosse óbvio. Seu desespero não era igual ao do outro jogador porque ele sabia exatamente o que estava acontecendo e tinha uma saída, não apenas do jogo, mas dos tipos de situações desesperadoras em que os outros competidores se encontravam fora da arena.

Leia Também:   Diretor da HBO explicou sobre o cancelamento de Lovecraft Country

Quando Il-nam está morrendo na véspera de Natal, no canto de um andar quase vazio de uma torre de escritórios, ele diz a Gi-hun que os muito pobres e os muito ricos são iguais, pois viver não é divertido para nenhum dos dois. De alguma forma, Gi-hun não o estrangula naquele momento. Ele também não o estrangula quando Il-nam revela como o game começou: basicamente, Il-nam e seus amigos ricos estavam entediados e sem alegria e decidiram criar os jogos como uma forma de se divertir. Esse legado continua com os Jogos de  de hoje, conforme demonstrado pelos VIPs, um grupo de homens ricos (aparentemente na maioria americanos) que bebem uísque e contam piadas enquanto assistem pessoas desesperadas morrerem no jogo em que apostam. Para eles, a vida humana talvez tenha perdido todo o significado e, por terem uma quantidade exorbitante de riqueza (ou seja, poder), essas são as regras que os outros também devem seguir.

Gi-hun é extraordinário porque se recusa a seguir essas regras. Il-nam diz a ele que ele merece o dinheiro, porque essa é a lógica sob a qual ele e seu grupo social viveram – como se alguém merecesse o tipo de privilégio imenso que deve sempre ser construído sobre a exploração e o sofrimento dos outros – mas Gi-hun recusa-se a gastá-lo. Il-nam diz a ele que ninguém vai parar para ajudar o homem desmaiado na beira da estrada congelada abaixo do prédio, e Gi-hun faz a aposta. E ele vence. O que diferencia o Roud 6 de tantas histórias do gênero é sua capacidade de equilibrar a crueldade e a injustiça inerentes à premissa com uma crença inabalável na capacidade das pessoas para o bem. O sistema é manipulado para pessoas como Il-nam, que não sofre consequências por seus atos, mas sempre haverá pessoas, como Gi-hun e a pessoa que foi buscar a polícia para ajudar o homem na rua, que se importam e que agem nesse cuidado. A segunda coisa não corrige a primeira, mas torna o mundo um pouco menos escuro.

Sem dúvida, essa reviravolta na história será uma parte divisiva do discurso de Round 6. A relação de Gi-hun com Il-nam é uma das melhores dinâmicas de toda a série, e que ressalta o tema central de como é importante valorizar a humanidade, mesmo quando o sistema em que você vive não o faz.

Por que Gi-Hun mudou de ideia no final da série?

A confissão de Il-nam no leito de morte parece dar o pontapé inicial na vida de Gi-hun. Ele pinta o cabelo de vermelho como um ídolo do K-pop. Ele encontra o irmão de Sae-byeok em um orfanato e deixa o menino (e metade de seus ganhos) com a mãe de Sang-woo. Embora pareça que Gi-hun pretenda voltar para eles após uma viagem para visitar sua filha, que se mudou com a mãe e o padrasto para Los Angeles, tudo isso muda quando Gi-hun vê algo no metrô: o mesmo homem que o recrutou para o game está jogando ddakji com um outro homem. Gi-Hun abandona sua bagagem e corre para a plataforma onde o personagem está trabalhando para recrutar outra alma desesperada. Gong Yoo já havia embarcado em um trem quando Gi-Hun chega até ele, sorrindo pela porta de vidro para o vencedor do jogo. Tudo o que Gi-hun pode fazer é pegar o cartão de visita do game do último recruta e dizer de maneira firme que ele não jogue.

Isso é tudo que Gi-hun pode fazer? Quando está na passarela para embarcar em seu avião para Los Angeles, tira o cartão de visita e disca o número, dizendo à voz do outro lado:

Ouça com atenção. Eu não sou um animal, eu sou uma pessoa, e por isso que quero saber quem são vocês e como podem fazer essas coisas horríveis com as pessoas … Não foi um sonho. Eu não posso te perdoar por tudo que vocês estão fazendo.

Como a pessoa que parou para ajudar o homem na rua, Gi-hun se recusa a aceitar aquilo, e se tem algo que ele possa fazer a respeito. Ele agora tem riqueza e, em vez de aceitar a cumplicidade em um sistema horrível como condição desse poder, ele não está disposto a ficar quieto. Ele da meia volta e não embarca no avião, dando a entender que ele irá atrás de todos eles.

Agamortis

Profissional de TI, amante de filmes de terror de gostos e qualidades duvidosas, séries, super-heróis e memes, muitos memes. Este site é para reunir tudo no mesmo local.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo